Aprendendo a ser puta


Aprendendo a ser puta

Querida Lasciva,

Percebi, na prática, que nunca é tarde para descobrir os prazeres do sexo. E descobri que ser puta na cama é algo maravilhoso. Em crise num casamento de 18 anos, o tesão começou a diminuir. Não achava mais interessante transar com meu marido. Seus movimentos já eram premeditados por mim, não havia novidade na hora de me despir, me chupar e até mesmo nas coisas que me dizia ao ouvido… Sempre as mesmas, afe! Beijo na boca? Não existia mais. Enfim, estava uma merda.

Num belo dia, teclando numa rede social, encontrei um primo online e começamos a engatar um papo que passou a ficar interessante. Cada vez que nos encontrávamos para falar sobre minha infelicidade conjugal, foi um passo. Ele, muito esperto, – e hoje afirmo que safado – começou a dar conselhos de que devia sair mais, curtir a vida e que desde a adolescência me achava bonita e atraente. Pronto. Isso no ouvido de mulher carente é um bálsamo. Dei a entender que de repente poderíamos nos conhecer melhor. Claro, para primo se conhecer melhor, só podia ser no sexo.

Ele entendeu rapidinho a mensagem e pediu o número do meu celular. Hesitei um pouco, mas doida para ver aonde aquilo ia chegar, enviei pelo bate papo. Imediatamente chegou a mensagem mais sacana, foda e excitante que já recebi. Para começar, chamava-me de “minha puta gostosa”… Nossa, pirei! Daí para marcarmos um encontro foi um passo.

Como moramos em cidades próximas e eu sempre estou por lá, rapidinho demos um jeito de nos vermos. Ao nos encontrarmos, ficamos com um sorrisinho meio sem graça, mas nos cumprimentamos com a cara mais safada do mundo. Seguimos para um motel e pronto. O beijo do cara era quente, sacana, delicioso. Já estava gemendo só com esse contato. E então, rapidamente, ele desceu e me chupou da maneira mais deliciosa do mundo, começou a me chamar de puta gostosa e me deu uns tapas na bunda quando sentei com gosto no seu pau quente. Nessa hora, gozei como nunca havia gozado. Comecei a xingá-lo também e ele tremeu e deu um gemido de macho na hora de gozar.

Passamos a variar as posições. Fico totalmente desinibida – como uma puta mesmo – quando estou com ele. As mensagens continuam picantes. Masturbo-me ao telefone pra ele ouvir, falo que adoro chupá-lo. Ele pira. Na última transa, levei uma lingerie bem sexy, amarrei suas mãos, massageei-o com óleo afrodisíaco… Como ele se contorcia! Amei.

Experimentamos várias posições e ele mostrou o quanto entende do assunto. Ao final, disse-me o seguinte: “A pessoa com quem eu tento manter uma relação (ele tem namorada) está me preocupando, pois não consegue gozar – e eu, assim que penetro, gozo imediatamente”. O contrário de quando está comigo, que além de conseguir controlar ainda me faz gozar 2, 3 vezes. Perguntei se era bom ou ruim eu chegar ao orgasmo tão rapidamente com ele. Enfaticamente, meu primo respondeu: “Claro que não!”. Que o bom era quando podia fazer muitas sacanagens, assim como fazemos.

Posso interpretar como um jeito masculino de dizer que gosta de nossas transas? Pois foi o que pensei… Ajude-me a tirar essa dúvida, cara Lasciva, pois estou cada dia mais tarada por ele. Mas também faço o mesmo jogo, procuro trepar bem feito pra que ele se sinta mais à vontade em estar comigo. Sem falar que segui sua dica. Faço um oral nele como ninguém, tanto que já disse que adora me ver nessa hora – pois o “saboreio” com vontade, sem fingimentos.

Beijos!!

M.M.

 

 

Oi M.M.

Sempre senti muito tesão ao ser chamada de “putinha” na cama. Não sei se é a entonação libidinosa que os homens usam ao proferir a palavra, ou se é uma inclinação masoquista, pelo caráter pejorativo do termo que usam ao ver diante deles uma garota se abrindo toda. A expressão parece ganhar um gostinho especial se acompanhada de um belo tapa na cara.

O que sei é que muitas mulheres têm o mesmo fetiche. E eles, via de regra, adoram ter a “sua” putinha sob controle na hora da foda. Acho que é uma forma de afirmar o prazer do sexo por si só. Esquecer qualquer compromisso com qualquer outra coisa que seja, ali. Assim, simbolicamente, naquele momento, ela está apenas proporcionando prazer (como uma puta). E se satisfaz disso. Busca o seu próprio prazer na situação, entregando-se ao pecado da luxúria.

Pelo que entendi, você e seu primo têm um tesão imenso um pelo outro. E se ele te comparou à namorada, parece que é porque queria fazê-la gozar como faz com você. Queria aproveitar tanto o sexo com ela quanto vocês o fazem, quando estão juntos. Não entendi sua preocupação, já que estão curtindo tanto essa aventura adúltera. Da mesma forma, se você fosse a “puta” do seu marido, talvez conseguissem mais prazer dentro do casamento. Infelizmente, muitas mulheres não se permitem fantasiar nesse sentido, pois se sentem desmerecidas ao assumirem tal papel. E também há homens que, mesmo quando se deliciam ao foder uma putinha, não cogitam assumir compromisso com mulheres que se põem nessa posição.

Enfim. Relaxe e goze. Seja a amante luxuriosa que você se delicia em ser. Preocupe-se apenas em não magoar seu esposo e a namorada do seu primo. Mas, fora isso, não pense muito. Aproveite.

Obrigada pelo relato!
Beijos,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *