Auparishtaka, congresso oral ou apenas boquete


Auparishtaka, congresso oral ou apenas boquete

O Kama Sutra, livro indiano escrito por Vatsyayana no século 2, apresenta-se como um guia para uma vida virtuosa. Ao analisar o comportamento conjugal de sua era, discute a natureza do amor, a vida familiar e outros aspectos relativos ao prazer. Mas é conhecido mesmo por seu conteúdo sobre sexo. Um dos capítulos do livro descreve o que ele chama de auparishtaka ou congresso oral – já dá para imaginar do que se trata.

Os eunucos eram homens castrados que serviam como escravos da realeza. Eles serviam, principalmente como guardiãos dos haréns onde ficavam as esposas e concubinas. A forma como o autor do Kama Sutra trata deles dá impressão de que eram considerados seres assexuados. Segundo Vatsyayana descreve, alguns se disfarçavam de homens, outros de mulheres – e agiam como elas, que nem os travestis de hoje em dia, vivendo como cortesãs.

Então deve ser verdade aquilo que os gays dizem – que ninguém faz um boquete tão bom quanto aquele que tem um pênis. Afinal, ao descrever o tal congresso oral, o Kama Sutra explica primeiramente como deve ser a sua prática pelo eunuco que trabalha como massagista.

Sob pretexto da massagem, um eunuco deste tipo envolve e atrai para si as coxas do homem a quem está massageando, e em seguida toca-lhe as virilhas e a jaghana, ou porções centrais do corpo. Depois, se encontra ereto o lingam do homem, comprime-o com as mãos e troça do homem por ficar em tal estado.

Então, após essa brincadeira inicial, estando de comum acordo, o eunuco deveria seguir oito etapas:

O congresso nominal

Segurar o pênis, colocá-lo entre os lábios e roçar com a boca

A mordida nos lados

Cobrir a extremidade do pênis com os dedos fechados em forma de botão de flor e apertar os lados com os lábios, utilizando também os dentes.

A pressão exterior

Comprimir a extremidade do pênis com os lábios e beijá-lo como se estivesse sugando

A pressão interior

Introduzir mais profundamente o pênis na boca, pressionar com os lábios e retirar.

O beijo

Tendo o pênis na mão, beijá-lo como se fosse um lábio inferior.

A fricção

Após beijá-lo, tocar sua língua por toda parte e passá-la na extremidade.

A chupada na manga

Colocar metade do pênis dentro da boca, beijá-lo e sugá-lo com força.

A deglutição

Introduzir todo o pênis na boca e abocanhá-lo até o fim, como se fosse engoli-lo.

Vatsyayana conclui que “pancadas, arranhões e outras coisas podem também ser feitas durante esse tipo de congresso“. Ele acrescenta que o auparishtaka pode ser praticado por mulheres sem casta e devassas, criadas e donzelas que vivem de massagens. Afinal, era visto como uma prática baixa e contrária às ordens da Sagrada Escritura. Há, ainda, uma série de exceções de quem mais poderia fazer o boquete. E o capítulo se encerra com um porém:

Mas, afinal, sendo tais atos feitos em segredo, e sendo a mente do homem caprichosa , como se poderá saber o que qualquer pessoa fará em qualquer momento particular e com qualquer propósito também particular?

Fica a questão. Seja lá quem o faça, parece que o boquete descrito no Kama Sutra é aquele feito com vontade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *