Sou homem e curto masturbação anal

Oi Lasciva, primeira vez que te escrevo.

Passei horas lendo histórias suas no blog. Você é danada de tão safada, ein? Delícia.

Pois bem, eis a minha história: Aos 8 anos mais ou menos descobri as maravilhas de tocar meu ânus. Era quase diário, durante o banho. Eu não chegava a gozar, mas sentia muito prazer. Às vezes estimulava junto com meu pau e ia à loucura. Até que começou bater um sentimento de culpa. Passei a achar que era viadagem. E foi se tornando cada vez mais esporádico.

Continuei com a masturbação “normal”, estimulando o pênis. Mas, claro, volta e meia eu tinha alguma recaída. E em pouco tempo, por volta dos 10 anos, a coisa começou a perder a graça, sendo necessário ir para brinquedos maiores: tubo de desodorante, tubo de shampoo… 2,3,4, 5 dedos - praticamente um fisting. Cheguei a utilizar coisas de cerca de 6 cm de diâmetro, que entravam sem necessitar de muito trabalho. Foi nessa etapa que comecei sentir orgasmo anal. E, então, até antes de começar a namorar, masturbava-me pelo ânus com a frequência de uma ou duas vezes no mês. Nunca, em nenhum momento, tive desejo por homens. Jamais sequer imaginei algum cara me pegando, ou fantasiei isso enquanto me estimulava. O que acontece na hora é apenas um tesão enorme, seguido de uma gozada incomparável.

Nos últimos quatro anos, envolvi-me em um namoro sério – com uma mulher, é claro. Moramos juntos há dois anos e a frequência com que faço masturbação anal diminuiu muito. A última vez deve fazer uns três meses ou mais. E sempre rola sozinho, sem ela saber. Quando fomos a uma sex shop, dei a ela um consolo de 19×6 cm - que utilizamos nela em nossas brincadeiras. Em pouco tempo não resisti e decidi utilizar. Vesti nele uma camisinha e mandei ver. Gozei tanto que caí no chão do box.

Revelei à minha mulher este meu segredo (não sei porque fiz essa merda, mas enfim) e ela não achou muito estranho. Na época, ela estava lendo coisas sobre sexo anal, interessada em fazer comigo. Por minha sorte, nessas leituras, ela encontrou muitas coisas sobre masturbação anal masculina – que a próstata é o ponto G masculino e blá blá blá. O assunto com ela morreu nesse dia e nunca mais tocamos no tema. Pouco tempo depois, ela me deu o cu e foi bom demais. Eu já sabia o tanto de cuidado e jeito que se deve ter para estimular o ânus e provoca apenas prazer, sem dor. Ajudou a entender como não machucá-la e a lidar com cuidado. Ela adorou. Chegou ao orgasmo rebolando no meu pau.

Bom, em toda essa minha experiência, questiono o que dizem de sexo anal - que o ânus não tem lubrificação. Nunca usei KY, saliva ou qualquer outro tipo de lubrificante. Basta acariciar a região, introduzir o dedo, estimular, que fica lubrificado e posso me divertir sem dor e sem me machucar. Já soube de mais alguém que sente o mesmo? Gozo sem precisar estimular o pênis, e quando acontece saem jatos fortíssimos de esperma, muito mais do que no sexo habitual.

E quanto a minha relação com minha namorada, tudo ocorre normal. Ela não sabe quando eu faço isso, e eu também raramente sinto necessidade. Nossa relação é normal, e o sexo então, nem se fala. Praticamente todos os dias. E, claro, ela nunca fez fio-terra em mim.

Gostaria de saber sua opinião sobre o assunto…  Sou muito seguro de mim. Não me sinto menos homem.

Beijos para você Lasciva e parabéns pelo blog. (y)

F.

 


 

Oi F.!

Cara, sensacional. É preciso ser muito homem para assumir que sente prazer com masturbação anal e não questionar a sua sexualidade por isso.

Nas palavras da sexóloga Carla Zeglio:

A estimulação feita pela introdução de dedo e ou de objetos no ânus do homem pode ser prazerosa em função do toque da próstata. Existe uma noção de que a penetração anal seja igual à homossexualidade, mas as duas são coisas diferentes.

A homossexualidade é uma escolha de parceria para a vida, enquanto o toque prostático é pura e simplesmente mais uma maneira de ter prazer. Essa prática é frequente em casais heterossexuais. Apenas como exemplo, vamos fazer uma comparação. Você acredita que o sexo oral feito na mulher a define como lésbica?

Igualar as duas coisas é um mal entendido, então deixemos os preconceitos de lado. O sexo, além da possibilidade reprodutiva, tem como objetivo principal a obtenção de prazer.

Parabéns pela atitude e pela coragem de assumir isso para a sua parceira. Percebo apenas um problema conceitual na forma como você enxerga os próprios atos. Diz que o sexo com sua mulher é normal, como se houvessem parâmetros que definem o que é ou não permitido em um relacionamento entre quatro paredes. Descarta a possibilidade de fio-terra e sequer menciona strap-on, como se houvesse algo de errado nisso. Questiona o porquê de ter revelado seu segredo a ela, como se sentisse vergonha do que faz. E a verdade é que você apenas explora seu corpo como muitos homens não se permitem fazer. Não há do que se envergonhar. Sei de muitos homens que curtem que a mulher faça fio-terra e até inversão. Eles não são nada gays

Já que sua parceira demonstrou não ter preconceitos nem julgar sua sexualidade por gostar de masturbação anal, espero que, no futuro, você consiga se permitir explorar melhor os prazeres do seu corpo. Com ela, claro.

Obrigada pelo relato.
Beijocas,

151 Comentários. Polemize.

Deixe uma resposta