Do Leitor: Meu amigo


Do Leitor: Meu amigo

Nem acredito que estou me arrumando para sair com ele. Que roupa coloco? Faço um estilo básico de quem só vai sair com um amigo ou me preparo para seduzir? Visto a calça jeans, que realça o bumbum já grande por natureza e uma blusa preta, folgadinha, mais discreta. Decido pelo meio termo. Saltão, que disso não abro mão.

Desço para o encontrar, ainda sem saber direito o que pode rolar naquela noite. Não tenho certeza se estou mesmo afim de dar uns beijos no meu amigo de tantos anos. Penso sobre isso enquanto o espero chegar. Ele vem, abro a porta do carro e então todas as minhas dúvidas acabam. Como está gato! E cheiroso. Ganhou-me ali – fato. Não resisto a um homem cheiroso. E aquela barba por fazer? Nossa! Em cinco segundos, antes mesmo de colocar o cinto, já imagino que delícia aquela barba no meu pescoço. Na verdade, espero ansiosa por este momento.

Pizza para lá, risinhos nervosos pra cá, vodka por todos os lados. Ele me olha de um jeito… Sempre teve esse olhar, que parece que entra na gente. O jeito com que me olha sempre me deixou curiosa a seu respeito. “Será que ele é intenso assim como parece?” E hoje seus olhos me devoram.

Minha boca já dormente do álcool, sinto arrepios no corpo inteiro. Vontade de o beijar. Ele logo percebe. Sem falar nada, me abocanha. Vejo então se realizar tudo o que fantasiei naquela noite. Ele é intenso. Deliciosamente intenso. Quase me come, ali mesmo. Segura-me pelos cabelos, morde meus lábios, lambe meu pescoço. Nem tive tempo de pensar- fico só me controlando para não gemer alto (ainda).

Em cinco minutos, saímos dali. Seria atentado ao pudor na pizzaria. Dentro do carro, nem vejo de onde ele vem. Sei que chega delicioso, com seu cheiro inebriante, em cima de mim. Ardendo de desejo, abaixa minha blusa, afasta meu sutiã. Chupa meus mamilos e me deixa completamente arrepiada. Minhas pernas amolecem, contraio o corpo todo de tesão. Solto um gemido baixinho, quase que o implorando para não parar. Ele escuta. Em três segundos, minha calça já está no chão, junto com a minha calcinha. E ele está ali, com a cabeça entre as minhas pernas. Sabe o que é melhor do que barba por fazer roçando no pescoço? É ela roçando nos lábios inferiores. Que delícia a sua língua me sugando com tanta vontade. Já não consigo controlar meu tesão, solto gemidos sem qualquer pudor.

De alguma forma, lembramos que ainda estamos no carro.
– Vamos sair daqui? – pergunta ele, ofegante e descabelado.
– Sim – respondo apenas, sem forças para dizer mais

No caminho, não resisto e coloco seu pau para fora da calça. Nem sei de onde tiro tanta ousadia. Ele mexe com meus sentidos. Brinco com a mão nele, provoco, enquanto mordo e beijo o seu pescoço. Finalmente chegamos.

Dá tempo de eu ligar o ar (sim, está muito quente) e só. Sinto ele me agarrar por trás e me deixar de calcinha e sutiã em cinco segundos! Suas mãos passeiam pelo meu corpo, ele me pega de um jeito que me enche de vontade. Atiça-me ainda mais sentir mostras da sua virilidade roçando o meu bumbum, imprensado contra a minha pele, deixando-me mais e mais ofegante e molhada.

Como eu o quero. Muito. Dentro de mim. Agora. Mas ele me tortura. Enche-me de beijos, lambe-me, morde-me e roça aquela barba enlouquecedora de leve por toda a superfície do meu corpo. Tudo nele me provoca. Suas mãos no meu corpo, as mordidas, a respiração ofegante, seu cheiro misturado ao perfume. E ele fica ali, entre as minhas pernas. Ele gosta de demorar. E eu aproveito. Gozo, na sua língua. Um orgasmo que surpreende até mesmo a mim. Tremo. Ele vem me beijar.

Putz! Que delícia meu gosto na sua boca… quente. “Por favor, mete em mim!”, penso. Ele lê meus pensamentos. E à medida que chega para me satisfazer, cada centímetro do meu corpo estremece. Solto um gemido longo, não consigo resistir. Todos os palavões do mundo passam pela minha cabeça. Que sensação incrível. Gozo de novo com ele dentro de mim, ouvindo-o gemer no meu ouvido. O Tesão só aumenta. E entre um movimento e outro ele me olha e diz:
– Eu te disse que ia ser gostoso assim, não disse?

Nada respondo. Apenas penso: “Amigos, amigos, tesão faz parte”.

 

*A coluna Do Leitor publica contos enviados pelo público e editados pela Lasciva. Tem algum texto picante e quer vê-lo aqui? Escreva para contato@lasciva.blog.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *