Esqueça o amor: NINF()MANÍACA


Esqueça o amor: NINF()MANÍACA

Culpa. É o primeiro sentimento manifestado por Joe, protagonista do filme Ninfomaníaca, após ser encontrada machucada e semiconsciente no chão de um beco. Ela quer explicar a razão de ter acabado naquele estado após ser indagada por Seligman, senhor de meia idade que a resgata. Porém, para isso, resolve voltar na história. Vai até a sua infância, narrando toda uma vida luxuriosa que ela divide em capítulos. O filme de estética minimalista segue em ritmo lento, de forma que conseguimos apreender a beleza de cada cena. Mas repleto de ação. E sexo explícito.

A narrativa da personagem parece tentar a todo momento convencer o interlocutor de que ela é mesmo culpada – não apenas por se entregar a um vício que marca sua existência, mas por provocar o mal àqueles que a cercam. Porém Seligman se mantém cético quanto ao veredito de Joe. Não que ele desconfie de seu autodiagnóstico – parece mesmo inquestionável que a moça seja ninfomaníaca. Ele apenas não acredita com tanta facilidade em tudo aquilo que ela declara. E quer mesmo conhecer toda a sua trama.

Aliás, eu também estou ávida por saber todos os desdobramentos da história dessa mulher hedonista e aparentemente sem limites. Ela é hardcore ao extremo – capaz de chocar até a mim, tão aberta a tudo que diz respeito a sexualidade. O que não quer dizer que eu não tenha me identificado com muitas situações ali descritas. Qualquer semelhança é mera coincidência.

A versão original do diretor Lars von Trier tem duração de cinco horas e meia. Passou por uma censura para chegar às telas do cinema e então foi dividido em duas partes. A Parte 1 está em cartaz e se encerra no Capítulo 5. Se restam dúvidas se vale a pena conferir, seguem alguns trechos de cada capítulo (legenda disponível no player do YouTube):

 

[Capítulo #1]

The Compleat Angler (título que faz referência ao livro de Izaak Walton sobre pescaria, publicado em 1653)

Como uma embalagem de doces de chocolate se torna um símbolo de vitória sexual? Quando Joe e sua amiga experiente, B, embarcam em uma viagem de trem, elas apostam quantos homens seduzirão no trajeto. O grande prêmio é uma deliciosa embalagem de doces de chocolate e se torna claro que Joe está disposta a vencer. Como um pescador experiente, ela precisa atrair a presa ao anzol.

 

[Capítulo #2]

Jerôme

Amor é apenas luxúria com ciúme. Apesar de o amor ser um sentimento frívolo aos olhos da cínica ninfomaníaca, a jovem Joe encontra forças que penetram a sua defesa blindada. O seu nome era Jerôme.

 

[Capítulo #3]

Mrs. H

Manter uma vasta rede de amantes nem sempre é fácil e Joe logo é confrontada com as consequências desagradáveis de ser uma ninfomaníaca. Afinal, você não pode fazer uma omelete sem quebrar alguns ovos.

 

[Capítulo #4]

Delirium

Confusão. Ilusão. Alucinação.
Morre o pai da ninfomaníaca.

 

[Capítulo #5]

The Little Organ School

Um prelúdio de Bach: Três vozes, cada uma com personalidade própria, mas em completa harmonia. Em outras palavras: POLIFONIA. A ninfomaníaca se inspira facilmente e age.

 

[Capítulo #6]

The Eastern and Western Church (The Silent Duck)

 

[Capítulo #7]

The Mirror

 

[Capítulo #8]

The Gun

 

Abaixo o trailer de Ninfomaníaca, que conta com a trilha sonora de Rammstein:

 

Sexo por prazer. Apostas sexuais. Por vingança. Para alimentar o vício. Sexo como moeda de troca. Sem amor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *