Os cliques de Kern


Os cliques de Kern

O fotógrafo Richard Kern, 59, começou sua carreira na Nova York de 1979 como diretor de filmes underground. Seus primeiros curtas descarados fizeram parte do Cinema de Transgressão, um grupo clandestino ligada à cultura punk que produzia filmes de baixo orçamento contendo muita violência, sexo e humor. Ele seguiu registrando seus cliques e também fez ensaios para a Barely Legal, uma revista pornô soft-core. Mas preferiu não continuar no mundo da pornografia. O que fez foi desenvolver um trabalho de fotografia autoral, de singularidade particular.

Kern consegue captar a naturalidade de cada garota, sem retoques. Suas modelos quase não usam maquiagem – nota-se a espontaneidade em sua expressão corporal. São garotas comuns, que ele registra pelo mundo em camas reviradas de quartos bagunçados, escovando os dentes, deitadas no gramado do jardim. Descabeladas, quase como se estivessem acordando naquele momento. E, mesmo assim, lindas.


Cliques de 300 garotas que posaram para suas lentes na gravação de um web série da revista Vice, produzida ao redor dos EUA, estão compilados no livro Shot by Kern, da editora Taschen. A declaração abaixo resume um pouco do seu conceito de fotografia erótica:

 

Não gosto de fazer fotos sexy. Para mim, sexy é quando minha esposa usa umas camisolas velhas deselegantes, bem simples de algodão, mas quando ela caminha na frente da TV é como ver através. [risos] Acho mais sexy do que a ver de calcinha preta com cinta-liga e meia-calça e salto alto e sutiã rendado e boá de plumas. Aquele troço de algodão branco que vai até os pés é bem mais quente.

Vale conferir o que é sexy para Richard Kern:

 

 

Divertido o cotidiano dele, não?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *